Últimos Dias | Morada dos Ossos | Teatro do Centro Cultural Solar de Botafogo

flyer_Morada_RGB

CRÍTICA:

“Lá fora o Sol ainda brilha sobre Lisboa”, seria um belo título, que talvez aproximasse mais o público da triste e emocionada peça MORADA DOS OSSOS, em cartaz no Solar de Botafogo, aos sábados e domingos, as 18h. Uma história densa e bem escrita, talvez, curta demais, mas bem executada, bem cantada, poética, bela maquiagem, bela luz, com figurino estranho, com interessantes elementos de cena. O cachorro é uma obra de arte, investir nisso aliás, seria uma aposta cenográfica bem mais instigante e ousada. É uma cena árida, triste e melancólica, como um fado, sem muitos coloridos, mas muito dolorida, angustiada. Com pouco humor, mas é difícil tirar humor de algo tão devastador quanto a solidão. A peça parece que fala de uma pessoa, mas num belo “golpe teatral”, nos fala de outra. Um narrador que é a vida, um cachorro multiplicado e todo o resto que remete a morte. Ainda assim, é bonito de se ver, de se ouvir. E nessa luta inglória, passiva e de final inexorável a morte vence a vida na história que nos é contada, mas a vida vence a morte na história que é vivida, e é simples: a vida não sucumbe à morte, porque há esperança. A peça dói sim, como um fado, como uma facada na barriga, como a morte de alguém, mas no fim, como uma brisa leve, passa a esperança e alimenta o Sol que ainda brilha sobre o céu de Lisboa. A solidão não é só um estado de espírito, é o destino daqueles que teimam em deixar para morrer por último. Mas se engana quem supõe que deixar a vida antes dos outros é solução para alguma coisa, pelo menos é o que eu suspeito. Bela peça, difícil também, em todos os sentidos.

Edvar Vasconcellos*

(Mestrando do Programa de Pós-graduação em Literatura Portuguesa, da UERJ. Autor do sucesso de público a peça AGREDIR FUNCIONÁRIO PÚBLICO NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO É CRIME. Escritor, roteirista e ator, formado pela Escola de Teatro Martins Pena(1994), com as peças REI PASMADO E A RAINHA NUA e REIESTRUTURAL. Concluiu a licenciatura em Teatro na UNIRIO, em 2008, onde coletivamente criou a peça QUANTOS ATORES CABEM NUM FUSCA? e foi assistente de direção de DEPOIMENTOS ÀS TERRAS DO BRASIL, em 2008, que representou o Brasil no FIT/Ocidente, na Venezuela, onde excursionou por diversas cidades. Cientista social, formado pela UFRJ, cursou mestrado em ciência política sem que houvesse a defesa de dissertação. Foi auxiliar de redação do programa MUVUCA, da Rede Globo, em 1999; pesquisador do acervo Paschoal Carlos Magno, na FUNARTE, em 2006. Analista técnico do programa de Desenvolvimento Social e Cidadania da PETROBRAS (FOME ZERO), (2006-2008). Atualmente, é professor de Sociologia e Filosofia no ensino médio, de Geografia no ensino fundamental e Professor independente de História do Teatro. Tem dois livros publicados: Mergulho no silêncio e Poema riscado e outros rabiscos. Autor do blog: http://pequenahistoriadoteatro.blogspot.com.br/).

ASSISTA MORADA DOS OSSOS E SE EMOCIONE!

ATÉ 26 DE MAIO NO

TEATRO DO CENTRO CULTURAL SOLAR DE BOTAFOGO

Sábados 18h30 – Domingos 18h

16 anos

www.moradadosossos.wordpress.com

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s